Análise

Encontre na América Latina lições sobre como se preparar para a inflação

Análise

Encontre na América Latina lições sobre como se preparar para a inflação


Os motores da inflação estão causando aumentos de preços em graus variados para os consumidores de todo o mundo. Em países como o Reino Unido, onde a inflação atingiu o nível mais alto dos últimos 30 anos, o sentimento predominante dos consumidores é a incerteza. 

Entretanto, a América Latina não é estranha à inflação e pode fornecer informações sobre como se preparar. Neste ambiente, os consumidores latino-americanos têm existido em um estado duradouro de instabilidade de preços. Os mercados têm, em muitos aspectos, se acostumado a ciclos inflacionários altos, com empresas modificando suas estratégias e consumidores ajustando suas preferências e hábitos de compra de acordo.

Um olhar mais atento da região latino-americana pode oferecer insights sobre como os mercados operam em um ciclo de inflação alta, o que fazer, o que esperar e onde se concentrar se a inflação persistir ou evoluir para um cenário de hiperinflação.


Inflação na América Latina 

A América Latina tem uma história mais longa do que a maioria com a inflação. Argentina, Bolívia e Brasil experimentaram taxas de inflação anual de três dígitos nos últimos anos, enquanto no máximo, a Venezuela teve a inflação mais alta do mundo de 5.500% em 2020. Este clima hiperinflacionário na América Latina se mantém há décadas, com os preços continuando a subir. No Brasil, a variação percentual média dos preços dos bens de consumo em relação a um ano atrás foi de 17% a partir de agosto de 2021. Na Argentina, os consumidores viram o preço de itens populares como latas de 354 ml de refrigerantes subir 41% em relação a um ano atrás (setembro). Enquanto algumas economias estão mostrando sinais de recuperação, as pressões sobre os preços continuam a crescer em toda a região.


Lição 1: Os consumidores continuarão a fazer compras

A alta inflação na América Latina não significa necessariamente uma diminuição do consumo massivo. Dentro da América Latina, a maioria dos países está realmente observando aumentos de consumo nas cestas básicas dos consumidores, reforçando a noção de que os consumidores se adaptaram aos diferentes estados de inflação na América Latina.

Para os profissionais de Marketing que procuram saber como se preparar para a inflação, é importante lembrar que os consumidores vão se adaptar. Não ignore a importância de compreender o comportamento do consumidor e as necessidades e preferências dos consumidores em um mercado sensível ao preço.

Person optimizing their performance

Otimize sua receita  

Assuma o controle de sua estratégia de preço e promoção. Entre em contato conosco e domine as regras do jogo de pricing.


Lição 2: Entenda as mudanças no comportamento do comprador em ambientes inflacionários

Com o rápido aumento dos preços, os consumidores estão testando seus limites pessoais e suas crenças em torno de seus estados de necessidade, por quais produtos vale a pena pagar mais, e quais não valem. Este processo de tomada de decisão está fortemente ligado à elasticidade dos preços – como a demanda do cliente é responsiva a um produto baseado em seu preço. Os profissionais do revenue growth management precisam entender quão elástico (como os consumidores são sensíveis às flutuações de preço) ou inelástico (ambivalente às mudanças de preço) seu produto é relativo ao mercado. Na raiz da compreensão da elasticidade e da inelasticidade está a compreensão do comportamento do consumidor.

Entretanto, é interessante notar que os consumidores brasileiros não são apenas produtos de observação de preços, mas também priorizam a comparação de preços entre produtos e categorias. Em termos comerciais, isto significa que a elasticidade entre categorias também deve estar no topo da cabeça. Para as empresas que buscam entender como fixar o preço de produtos agora mesmo, a principal lição da América Latina é não tomar decisões sobre preços em um silo. Os consumidores vão comprar todo o panorama de produtos onde os itens são comparados entre categorias e canais.


Lição 3: Preste atenção à estratégia de seu canal

À medida que os consumidores se adaptam ao ambiente em evolução de preços, eles questionam o que comprar e onde comprar. Estar ciente dos quatro grupos de consumidores que direcionam os gastos será importante para compreender as preferências e comportamentos do canal. Por exemplo, consumidores isolados – que no Brasil representam 27% dos consumidores – estão demonstrando preferência por estocar itens para se proteger de futuros aumentos de preços.

Na América Latina, isso está impulsionando o crescimento de canais não tradicionais como Cash & Carry (atacarejo) em termos de sortimento e exibição de produtos, mas sem exigir adesão. Cash & Carry cresceu 15% desde 2019 na América Latina.

Por outro lado, os consumidores restritos – que no Brasil representam 73% dos consumidores – têm menos probabilidade de estocar e estão reduzindo o que colocam em sues carrinhos de compra. Os consumidores restritos na América Latina também estão comprando com mais frequência com viagens de preenchimento menores, mudando para marcas de valor e provavelmente comprarão marcas premium “favoritas” com menos frequência. Para consumidores restritos, a comparação de preços no universo online tornou-se um grande apelo, o que por sua vez contribuiu para o rápido crescimento do comércio eletrônico na América Latina.

A principal lição da América Latina é estar ciente das mudanças na dinâmica do canal e nas preferências do consumidor em ambientes inflacionários. Quer os consumidores mudem seu consumo, aumentem ou diminuam o tamanho do estoque, os fabricantes e varejistas não devem perder de vista as formas diferenciadas pelas quais os diferentes canais podem atender às necessidades dos consumidores.


Lição 4: Esteja ciente da conformidade de preços entre varejistas

À medida que os preços sobem, a padronização de preços em todo o universo do varejo tornou-se um desafio específico para a inflação para varejistas e fabricantes latino-americanos.

Com muitos intermediários diferentes envolvidos nos canais de varejo, as possibilidades de ruptura na comunicação de preços são altas. Em particular, para os pequenos estabelecimentos comerciais tradicionais familiares, os desafios são ainda maiores devido à falta de visibilidade do preço relativo, à ausência de um canal de comunicação claro com os fabricantes e o fato de já poderem estar a receberem produtos a um preço superior ponto devido a taxas repassadas de distribuidores.

Talvez o maior desafio para os varejistas de comércio tradicional em um ambiente de alta inflação seja tentar definir uma margem apropriada que considere não apenas os custos atuais e futuros para repor o estoque nas lojas. Para os consumidores que dependem de suas lojas locais, os preços que vêem nas prateleiras podem ser os mais dinâmicos em todo o cenário de varejo. Essa experiência frustrante pode corroer a lealdade do canal, especialmente porque as compras online e as comparações de preços continuam aumentando. Para os fabricantes, a dispersão de preços no cenário de varejo e a falta de equidade de preços podem enfraquecer o valor da marca.

Uma estratégia que ajudou a melhorar a igualdade de preços em países latino-americanos com a inflação é a comunicação de preços diretamente na embalagem. A comunicação clara dos preços em todos os níveis é crítica. A principal lição da América Latina é estar ciente dos riscos da conformidade de preços em um ambiente de alta inflação. Ter protocolos de comunicação claros e estabelecidos em todos os canais de varejo será extremamente importante.


O que vem por aí?

Deve-se enfatizar que a inflação não é um desafio universal. A inflação varia entre as regiões e, portanto, as experiências observadas em um mercado podem não se traduzir exatamente em outro. No entanto, essas lições da América Latina podem fornecer visibilidade sobre como se preparar para a inflação, entendendo como os consumidores se comportam e como as marcas com uma estratégia adequada de Revenue Growth Management podem responder em um ambiente inflacionário duradouro.

Stay ahead by staying in the loop.

Don’t miss the latest insights, offerings, and opportunities from NielsenIQ.